restinga
bambas
embaixadores
gravatai
imperio zona
uniao
imperadores
imperatriz

CARTA DE SÃO PAULO, 02 DE DEZEMBRO DE 2016

Hoje 02 de dezembro, disponibilizamos, na integra a CARTA DE SÃO PAULO, documento criado no 1° Fórum da UESP, que aconteceu entre os dias 5 á 7 de novembro, em São Paulo, que discutiu as “Transformações para a manutenção do verdadeiro Carnaval popular”, realizou-se, também, mais um encontro da Articulação Nacional do Carnaval, o evento  contou com a participação do Presidente da LIESPA, Juarez Gutierres de Souza, assuntos pertinentes ao futuro, respeitando os interesses comuns em prol dos 100 anos do Samba, foram amplamente discutidos.

uesp-_juarez
O presidente da UESP,  Kaxitu Campos, no centro, com convidados do evento, entre eles o presidente Juarez Gutierres de Souza

“CARTA DE SÃO PAULO, 02 DE DEZEMBRO DE 2016

No Dia Nacional do Samba, no ano em que se comemora os 100 Anos do Samba – Patrimônio Cultural Brasileiro, a Articulação Nacional do Carnaval, constituída em 25 de junho de 2013, durante a Audiência Pública sobre a Cadeia Produtiva do Carnaval, em Brasília, e consolidada nas 2ª e 3ª edições da Carnavália/Sambacom – Feira de Negócios do Carnaval e Encontro Nacional do Samba, em 2015 e 2016, no Rio de Janeiro, apresenta à sociedade os anseios balizadores do entendimento para reafirmação e consolidação de um conjunto de Pautas que dê conta da magnitude dos desfiles das escolas de samba em todo o país e construa uma agenda pós-crise, a médio e longo prazo, preparando nossas entidades para o futuro, passada a tempestade que ora enfrentamos.

Durante o I Fórum UESP 2016, realizado entre os dias de 05 e 08 de novembro, em São Paulo, que discutiu as “Transformações para a manutenção do verdadeiro Carnaval popular”, realizou-se, também, mais um encontro da Articulação Nacional do Carnaval, quando se aprofundou o debate desse conjunto de pautas sobre os rumos do Carnaval no Brasil.

Na ocasião, foi apresentada pelas Entidades Representativas das Escolas de Samba presentes a preocupação recorrente com as dificuldades encontradas pelas Entidades Carnavalescas do Brasil, com uma crescente onda de suspensão de eventos carnavalescos, em mais de uma centena de municípios, sob o argumento dos gestores municipais e estaduais de que devem priorizar a saúde, a educação e a segurança, diante da crise financeira que atinge o País.

Embora tenhamos um grande acúmulo dos números gerados pela Cadeia Produtiva Carnaval em relação à movimentação da economia criativa e o alto impacto no incremento da economia nacional do comércio e serviços, como o turismo, hotelaria, entretenimento, mídia, mão de obra especializada e ainda um conjunto de outros setores, não conseguimos convencer o Poder Público e a Sociedade da importância do investimento em nosso Espetáculo, por conta desta contribuição econômica aos municípios.

Este é o grande desafio imposto para o conjunto das Escolas de Samba do Brasil, onde a cada ano estamos acompanhando Carnavais consolidados não sendo realizados, por conta da miopia política de gestores que, ainda no ano de 2016, enxergam o carnaval somente com gasto, e não reconhecendo a importante movimentação econômica local, proporcionada pelo espetáculo cultural representado pelos desfiles das escolas de samba, nem a sua inquestionável importância cultural.

A partir destas reflexões, a Articulação Nacional do Carnaval, apresenta à sociedade brasileira, no “DIA NACIONAL DO SAMBA – 02 de Dezembro de 2016” , quando comemoramos os 100 anos do Samba – Patrimônio Cultural Brasileiro, as seguintes propostas e reivindicações:

– Retomada das discussões para a Criação do Plano Nacional da Cadeia Produtiva do Carnaval junto ao Ministério da Cultura e demais Ministérios afins consolidando de fato uma Política Cultural de Estado, ao maior Festejo Popular do Mundo – o Carnaval Brasileiro. Constando nesta ação planejamento a médio e longo prazo, com uma relação interministerial, com a identificação de ações com metas e prazos a serem cumpridos;

– Consolidação do Programa Cadeia Produtiva do Carnaval (dentro do Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil – MROSC) junto a Fundação Cultural Palmares, a fim de buscar estruturar os eventos dos Carnavais do Brasil que estão em dificuldades por conta da crise econômica;

– Realização de um Diagnóstico Nacional sobre os dados do Carnaval de todo Brasil, a fim de saber a real contribuição do nosso espetáculo para a economia nacional, realizado pelo Instituto de Pesquisa e Econômica Aplicada – IPEA, este que irá subsidiar o Plano Nacional de Cultura;

– Realizar uma discussão sobre os mecanismos de financiamento cultural como o novo PROCULTURA (Lei ROUANET e o Fundo Nacional de Cultura) garantindo a continuidade ao Carnaval a isenção de 100% previsto no art. 18º;

– A Criação de um acento do Carnaval no Conselho Nacional de Políticas Culturais – CNPC e na Comissão Nacional de Incentivo a Cultura – CNIC, indicado pelos membros da Articulação Nacional do Carnaval;

– Consolidar o conjunto de experiências exitosas no financiamento e na construção de políticas culturais voltadas para o carnaval em um material de boas práticas contendo estes “Cases de Sucesso”, a fim de auxiliar gestores públicos e privados do nosso segmento;

– Trabalhar a construção da Frente Parlamentar do Carnaval no Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e no Senado Federal), a fim de estabelecer um vínculo com os parlamentares para a defesa de ações, compromissos com a formulação de uma Política Cultural voltada ao nosso espetáculo;  São Paulo, 02 de Dezembro de 2016.”

Documento original extraído da Rede da UESP:

carta-de-saopaulo_uesp-2016

Check Also

EQUIPE LIESPA HOMENAGEIA O ANIVERSÁRIO DE SEU LIDER

O carnaval de 2017, precisou mais que nunca de um líder,  então veio para a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *